Páginas

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Crise entre taxistas e prefeito de Mossoró tem forte tensão

Comboio de táxis 'perseguiu' prefeito e circundou condomínio
(ao fundo) onde ele tem casa
(Foto: Redes Sociais)

Conflito chegou a momentos delicados nesse último domingo e pode ter ainda graves desdobramentos

O final e início de semana em Tibau não foram apenas de saudações ao “deus-sol”. O veraneio tem uma pitada de tensão e confronto, numa guerra sem limites entre a cidade-praia e o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD).
O embate escorreu para as redes sociais, com o próprio prefeito indo à infantaria dos acontecimentos, ao lado de um batalhão de militantes cibernéticos. Mal-estar evitável mas que teve elevação em atos e palavras.
Apostou-se no enfrentamento. O pior caminho entre os extremos.
O “xis” da questão é a atuação de taxistas de Tibau e de Mossoró, no período de veraneio. O prefeito, em postagens nas redes sociais, garante que defende a categoria dos taxistas mossoroense e avisou que vai pro ataque.
Entretanto ele passou constrangimento nesse sábado (24), quando participava da III Maratona de Revezamento Mossoró-Tibau. À sua chegada à cidade-praia, como um dos atletas, a recepção foi a presença de dezenas de taxistas em comboio, fustigando-o na cobrança de respeito.
Francisco José Júnior precisou se esquivar. Esgueirou-se e escapou do choque direto, com uso de um carro, saindo do foco de atrito, espécie de Faixa de Gaza.
“Perseguição”
Agentes de Trânsito de Mossoró 'ocuparam' Tibau (Foto: Web)
Mesmo assim, os taxistas passaram a ‘persegui-lo’ por entre ruas, ruelas, praias. Fizeram carreata até sua casa na Praia das Manoelas, circundaram a casa dos seus pais. Com carros pichados com inscrições diversas, uso de faixas e outros meios de protesto, mantiveram a pressão, mas sem encontrá-lo.
“Não somos bandidos, somos trabalhadores”, bradava uma gravação em som automotivo.
Taxistas em Tibau não aceitam que taxistas mossoroenses circulem no período, atraindo passageiros. Eles mesmo resolveram montar vigilância.
Em Mossoró, a Gerência de Trânsito (GETRAN) com seus agentes “azulzinhos” tem realizado rigorosa fiscalização. Multa taxistas de Tibau e outras cidades.
A propósito, grande número de agentes de trânsito de Mossoró e seus veículos motorizados acorreram para Tibau em meio a esse tumulto. A justificativa para atuarem fora da sua jurisdição, circunscrita à área urbana de Mossoró, fora justamente a de balizarem a corrida esportiva da qual o prefeito participara.
Mas a presença ostensiva dessa guarnição terminou elevando o mal-estar. Passou a imagem de uma reação intimidadora do prefeito mossoroense, que há poucos dias foi eleito e empossado como presidente da Federação dos Municípios do RN (FEMURN).
O clima de beligerância estava “escrito”. Há vários dias que faixa colocada à entrada da cidade do Tibau hostilizava o prefeito mossoroense. Terminou sumindo por ação de um “comando” não identificado, que à madrugada do domingo arrancou-a.
Outras foram colocadas no mesmo tom.
“Invasão” de Mossoró
Faixa "recepcionando" prefeito foi arrancada à madrugada
(Foto: Web)
Com o diálogo obstruído entre as partes conflitantes, é difícil se adivinhar o que possa ocorrer adiante. Porém é muito provável que algo mais grave faça parte desse enredo. A intolerância generaliza-se.
Mossoró tem quase 400 taxistas. Os números relativos à cidade do Tibau são desencontrados, mas estima-se que passem de 100.
Táxis e vans, carros alternativos em geral, fazem parte da economia de Mossoró. O comércio e a área de serviço da cidade sabem bem disso, pelas características sociológicas e mercantis que a cidade tem desde a segunda metade do século XIX.
Diariamente, Mossoró é “invadida” por mais de 4 mil veículos das regiões Salineira, Médio e Alto Oeste, Vale do Jaguaribe (Ceará) e Vale do Açu.
Eles “despejam” público consumidor que a própria Prefeitura de Mossoró e as entidades empresariais do setor produtivo não sabem estimar.
Podem ser de 15 a 25 mil pessoas/dia em média, todos os meses. Uma multidão que não recebe o minimo de tratamento diferenciado do poder público e do segmento empresarial. Vira-se.
A enorme maioria dessa população flutuante aporta em Mossoró, cidade polo de uma região da ordem de mais de 1 milhão de habitantes, justamente em táxis, vans e outros carros alternativos.
Em redes sociais, prefeito diz seus termos (Foto: Web)
Comércio apreensivo
Quem está de olho nessa arenga, com apreensão, é o setor comercial/serviços. Sabe que esse é o tipo de batalha tem um perdedor certo, com redução no meio circulante e indiretamente o próprio erário municipal.
Por isso, que ontem mesmo, dirigentes empresariais começaram a se mexer. Há dias procuram oportunidade de conversar com o prefeito e representantes da outra banda conflitante. Sem êxito.
“Vamos nos reunir, vamos agir. Mossoró e nós não podemos ficar de braços cruzados”, falou um representante do comércio mossoroense, que pediu para ter seu nome preservado.
Outro aspecto em pauta, é a atmosfera de antipatia que pode ser alimentada com outros municípios. Essa erosão pode estar apenas começando.
“Esse radicalismo não ajuda. É preciso que os dois lados tenham compreensão que estamos todos sobre o mesmo chão. Vamos nos entender, se Deus quiser”, comenta o prefeito de Tibau, Josinaldo Marcos (PSD), o “Naldinho”.
Há poucos dias, ele votou e compôs chapa eleita à Femurn, encabeçada pelo prefeito mossoroense. Os dois são aliados e do mesmo partido do governador Robinson Faria (PSD).
Com informações do blog Carlos Santos

0 comentários:

Postar um comentário